INTERIOR

Shutterstock | Prostock-studio

Um lar é construído principalmente a partir do intangível – paciência, compaixão, experiências compartilhadas significativas, fidelidade e muitos sorrisos

 

Recentemente, uma querida amiga me pediu conselhos sobre como organizar a casa dela. A família de oito pessoas já estava se sentindo espremida na residência pequena quando ela decidiu estudar em casa. Agora, com cadernos e artesanato espalhados, ela estava perdendo seriamente a paciência – uma frustração comum a muitas famílias.

Então, visitei-a para compartilhar alguns ‘truques do ofício’ para lidar com acadêmicos na cozinha – uma habilidade que aprimorei com meus sete filhos durante anos como homeschooler. O que eu não esperava era que a família de Grace realmente me inspirasse quando se trata do que é preciso para criar uma bela casa em um espaço limitado.  

Aqui está o que notei sobre o que a família de Grace faz…

Eles se concentram nas pessoas à sua frente, e não em seus arredores.

Esse  movimento de Madre Teresa vem naturalmente para Grace, que sempre teve um jeito de olhar para o rosto de uma pessoa como se estivesse vendo Cristo. O que é ainda mais profundo é que ela claramente transmitiu essa atitude aos filhos, que me receberam na porta com exuberância. Os pequeninos pulavam para cima e para baixo. Recebi muito contato visual, sorrisos e muitos abraços. 

Eles exibem itens que inspiram e nutrem a família. 

Sentindo-me genuinamente bem-vinda, sentei-me em um banquinho em uma linda sala cheia de fotos de família, versículos da Bíblia decalques nas paredes e obras de arte caseiras. Observei a maneira gentil como Grace interage com seus filhos – todas crianças normais, que obviamente testam a paciência da mãe às vezes e brigam entre si.

 
 

Notei especialmente a maneira como Grace conversava com seu filho mais velho, que agora também é pai. Refleti sobre o fato de esse jovem visitar a mãe frequência. A maneira como ele sorri para ela demonstra que a companhia dela lhe faz bem.

 Claro, eu notei o espaço apertado, os biscoitos de peixinho dourados misturados com giz de cera quebrado no chão. Mas o que notei ainda mais foi como todos se tratavam com ternura. E os arredores… eles pareciam desaparecer. 

 

Eles envolvem as crianças.

Ainda assim, eu estava lá por uma razão. Então eu reuni as crianças. “Todo mundo pegue uma mochila”, eu disse, “encha-a com seus trabalhos da escola e coloque-a debaixo de sua  própria cama  antes de cada refeição.” Grace então entregou a cada criança um lenço multiuso pré-umedecido e disse-lhes para “limpar  qualquer coisa”.

Em suma, envolvemos as crianças de uma maneira significativa – outro passo importante para embelezar uma casa. 

Eles praticam hábitos que cultivam a gratidão.

Grace gritou de alegria ao ver a mesa da cozinha limpa. Enquanto isso, meus olhos caíram sobre um livro que caiu no chão: Little House on the Prairie. Grace me viu abraçá-lo no meu peito e disse: “Acabamos de ler sobre o longo inverno deles.” Ela, então, seguiu com uma observação: “Com certeza me fez grata pelo isolamento e pelo calor do óleo”.

Entre esse comentário e tantos outros ao longo dos anos, está claro para mim que Grace propositalmente se engaja em hábitos que geram gratidão, em vez de descontentamento. Ela reaproveita móveis e compra produtos em brechós. Seus tesouros enchem sua casa, criando uma cultura de apreciação em um mundo voltado para o consumismo e o descartável.

Grace percebeu a maneira como eu a observava e refletia sobre o fato de que, embora eu certamente pudesse oferecer inúmeras dicas como “guarde cafés da manhã bagunçados para os sábados; ao invés disso, coma barras energéticas nos dias de escola” – ela me ensinou mais coisas do que eu a ela.

“O que você está pensando?” ela sorriu enquanto varria a sala ao mesmo tempo em que ajudava seus filhos a encontrar suas botas de caminhada – uma ilustração perfeita de seu melhor truque. Porque se Grace tivesse um único mantra doméstico, seria:

“Faça o que puder e depois saia.”

Grace se concentra no que  ela pode fazer  – cozinhar e limpar com excelência, enquanto exige uma quantidade razoável de ajuda de seus filhos. Ela pendura cortinas, pinta paredes e as polvilha com decalques de pássaros  – depois sai com um par de binóculos para conferir alguns deles na vida real.

Porque, embora Grace quisesse meu conselho para gerenciar o trabalho escolar na cozinha, ela já era uma dona de casa campeã muito antes de eu aparecer. Ela entende que o lar que está criando para sua família é construída principalmente a partir do intangível – paciência e compaixão, experiências compartilhadas significativas, fidelidade e riso.

Eu não quero diminuir a paz que um espaço bem organizado e decorado com bom gosto traz à vida de uma pessoa, mas assim como a voz da Sabedoria, muitas vezes personificada na Bíblia como uma mulher humilde, Grace certamente construiu sua casa  (cf. Provérbios 9). Não é chique, mas quando visto corretamente, é majestoso.

 

fonte: Aleteia - Sarah Robsdottir - publicado em 17/01/22