(AINA) – Muito tem sido comentado da recente descoberta na Turquia de uma suposta Bíblia a ser escrita em língua aramaica, 1.500 anos atrás. As mídia muçulmana, bem como os meios de comunicação ocidentais, rapidamente se lançou sobre isso, alegando que esta Bíblia contém versos atribuídos a Jesus Cristo, no qual Cristo prediz a vinda de Maomé. (N. do T. : para variar, como de costume, páginas ateístas que promovem a desinformação e propaganda fraudulenta já foram rapidamente publicando a “notícia” sem critério algum). Nenhum meio de comunicação publicou um fac-símile destes versículos.Esta “Bíblia” é escrita em couro em letras de ouro. A imagem da capa dianteira mostra inscrições em aramaico e um desenho de uma cruz.  Para qualquer falante nativo da moderna Assíria (também conhecido como neo-aramaico), e que seria o seu assírio médio atualmente, a inscrição é de fácil leitura. A inscrição inferior, que é a mais claramente visível a partir das fotos publicadas, diz o seguinte:

Transliteração: b-shimmit maran paish kteewa aha ktawa al idateh d-rabbaneh d-dera illaya b-ninweh b’sheeta d-alpa w-khamshamma d-maran

Tradução: Em nome de nosso Senhor, este livro foi escrito pelas mãos dos monges do mosteiro em Nínive, no ano de 1500 de nosso Senhor.

Nínive é a capital assíria antiga e está localizada no atual norte do Iraque, perto de Mosul.

Há erros de ortografia que são imediatamente perceptíveis. A primeira palavra, b’shimmit maran (“em nome de nosso Senhor”), está erroneamente grafada com um “t” em vez de um ‘d’. O ‘d’ em assírio é genitivo, e seus prefixos a palavra que se seguem. Devia-se ler b-shimma d-maran, não b-shimmit maran (nota, a última palavra da frase é escrita corretamente d-maran (“de nosso Senhor”)).

A primeira palavra contém também um outro erro de ortografia. A grafia correta para “nome” em assírio é ashma, com a inicial ‘a’ sendo muda. Portanto, quando escrito corretamente, “em nome de nosso Senhor” deve ser escrita como b-ashma d-maran.

A palavra idateh está mal escrita, já que devia terminar com um ‘a’: idata. Além disso, a frase al idateh (“nas mãos”) é incorreta. Deve ler-se b-idata (“pelas mãos”).

A sentença inferior usa a palavra ktawa (“livro”) para se referir ao livro, mas em assírio a Bíblia nunca é referida como um “livro”. Usa-se awreta (Antigo Testamento), khdatta (Novo Testamento), ou ktawa qaddeesha (livro sagrado). Diante disso, uma vez que ninguém viu o interior desta “Bíblia”, não podemos ter a certeza se é de fato uma Bíblia.

Mais significativamente, essa escrita está em assírio moderno, que foi padronizada em 1840. A primeira Bíblia em assírio moderno foi produzida em 1848. Se este livro foi escrito em 1500 AD deve ter sido escrito em assírio clássico.
É altamente improvável para os monges cometessem esses erros primários. Resta saber se este livro é uma falsificação, ou mesmo que tipo de livro é.

A inscrição inferior também diz que o livro foi escrito em 1500 AD. Se o livro contém versos prevendo a vinda de Maomé, não é nenhuma grande realização para prever algo 870 anos após o fato, já que Maomé fundou o Islã em 630 AD.

A maioria dos meios de comunicação, bem como muitos muçulmanos e cristãos, publicam impensadamente a história com manchetes alegando que “uma bíblia de 1500 anos prediz a vinda de Maomé” – sem qualquer evidência para apoiar isso.

Para os muçulmanos, as implicações das manchetes são desejáveis, de que Jesus Cristo é um profeta, como Maomé, e não o Filho de Deus. De acordo com Al Bawaba, o ministro da cultura e turismo turco, Ertugrul Gunay, disse: “De acordo com a crença islâmica, o Evangelho [a Bíblia] trata Jesus como um ser humano e não um Deus. Ele rejeita as ideias da Santíssima Trindade e da crucificação e revela que Jesus predisse a vinda do profeta Maomé. “

Comentando sobre os erros no livro, Al Bawaba diz em outro artigo:

Por exemplo, o livro diz que há nove céus e que o dízimo é o paraíso, enquanto no Alcorão são apenas sete e afirma que a Virgem Maria deu à luz Jesus, sem qualquer dor enquanto a história Alcorão diz que ela tem dores de parto.De acordo com o evangelho, Jesus disse aos sacerdotes judeus que ele não é o Messias e que o Messias é Muhammad. Isto significa uma negação da existência de um Messias, que é de fato Jesus Cristo, e faz com que Jesus e Maomé parecerem que eles são uma e a mesma pessoa. O livro também contém informações que não têm credibilidade histórica, como a presença de três exércitos, cada uma composto por 200.000 soldados na Palestina enquanto toda a população da Palestina há 2.000 anos nem sequer chegava a 200.000. Além disso, a Palestina foi ocupada pelos romanos naquela época e é impossível que a Palestina foi autorizada a ter qualquer exército ou exércitos próprio. A última frase do capítulo 217 diz que 100 quilos de pedras foram colocadas no corpo de Cristo. Isso confirma que o evangelho foi escrito recentemente, porque o primeiro a usar a libra como unidade de peso foram os otomanos em seus experimentos na Itália e Espanha e esse sistema de peso nunca foi conhecido durante a época de Jesus. O capítulo 20 também afirmou que as cidades de Jerusalém e Nazaré são portos marítimos.

 

Este mesmo artigo termina com “de acordo com vários estudos, o evangelho atribuído a São Barnabé foi escrito por um judeu europeu na Idade Média, que estava bastante familiarizado com o Alcorão e os Evangelhos. Ele, portanto, mistura fatos aqui e ali e suas intenções permanecem desconhecidas. “
Mas, apesar da disponibilidade de informações sobre esta “Bíblia”, a maioria dos meios de comunicação, os muçulmanos, as organizações liberais e seculares têm retratado esta descoberta como algo que prejudica o cristianismo, ignorando os muitos problemas com este livro apresentando-o como um fato virtual. De fato, em seu zelo para apoiar a narrativa anticristã, eles suspendem ou suprimem as informações que questionam a autenticidade deste livro. Para essas organizações e indivíduos, esta é uma outra ferramenta em seu arsenal para o ataque sobre os fundamentos da doutrina cristã.
 
 
 
 

Original: http://www.aina.org/news/2012022916569.htm
Tradução: Emerson de Oliveira

0
0
0
s2sdefault