Formação espiritual e humana dos Congregados Marianos

 

 

 oratório da sede da Congregação no mês da Bíblia

 

Objetivo primário - vocação à santidade e ao apostolado

 

O objetivo fundamental da formação espiritual do Congregado Mariano é levá-lo à descoberta, cada vez mais clara, da própria vocação como batizado e consagrado a Nossa Senhora e à disponibilidade generosa para viver esta vocação no cumprimento da missão divina e humana que dela decorre (CL, 58).

Esta descoberta e esta disponibilidade se nutrem da "escuta pronta e dócil da Palavra de Deus e da Igreja, da oração filial e constante, de uma sábia e amorosa direção espiritual, do discernimento na fé dos talentos e dons recebidos de Deus e das situações sociais e históricas em que ele vive" (CL, 58J).

 

Formação espiritual

 

 A formação espiritual do Congregado Mariano deve ter especial atenção em levá-lo a uma união vital  entre fé e vida, sem dissociar os valores e exigências da vida interior. dos desafios e compromissos da vida na família, no trabalho, nas relações sociais, no mundo da cultura ou da política.

Assim se promoverá c crescimento espiritual e doutrinário do Congregado Mariano, a par da sua competência e responsabilidade na vida cultural. e profissional, no amor e dedicação à família e educação dos filhos, na responsabilidade na vida social (AA, 4; GS, 43; CL, 59).

 

Atividades de formação

 Embora o processo formativo do Congregado Mariano deva ser permanente, quer pelo empenho individual de cada um, quer pelo dia-a-dia da vida na Congregação Mariana e no trabalho apostólico, possui, contudo, momentos especiais como

  • as reuniões ordinárias, nas quais deveria haver sempre uma parte destinada à formação, ao lado das orações e dos assuntos próprios da pauta da reunião,
  • os dias de recolhimento e formação,
  • os Retiros Espirituais,
  • os cursos promovidos pela Congregação Mariana
  • os programas formativos organizados para os Aspirantes e Candidatos ao ingresso na Congregação Mariana.

 

Vida Interior

 A formação para a vida interior ocupa um lugar privilegiado na vida do Congregado Mariano.

Deve ser ele iniciado e instruído a participar conscientemente da vida litúrgica da Igreja, não somente em seus aspectos rituais e celebrativos, mas, sobretudo,

  • em seu sentido profundo de participação na oração e no louvor do Corpo Místico, em união com Cristo-Sacerdote;
  • na vida de oração pessoal, alimentada pela Palavra de Deus, visando a uma íntima união e familiaridade com Deus presente e agindo em seu interior pelo Espírito Santo;
  • na prática fiel e humilde das orações vocais e dos exercícios de piedade eucarística e mariana;
  • no conhecimento das escolas de espiritualidade tradicionais na Igreja;
  • no hábito da leitura espiritual, sobretudo da vida dos Santos e de autores sólidos e recomendados;
  • na prática do discernimento espiritual que o leve à pureza de consciência e à descoberta dos desígnios de Deus para sua vida.

 

Formação doutrinária

A formação doutrinária é da maior importância para dar consistência à vida interior e ao trabalho apostólico do Congregado Mariano.

Ela consistirá numa catequese sistemática e integral que o leve a conhecer os fundamentos da doutrina da Igreja e a natureza de sua Fé, os artigos do Credo e os preceitos da Moral católica, a leitura, em espírito de fé, da Sagrada Escritura, a história da Igreja e das formulações dogmáticas, a natureza do verdadeiro ecumenismo e os pontos controversos com outras confissões cristãs.

Em especial, para orientá-lo nos problemas sociais e culturais do mundo em que vive, deve ser promovido o conhecimento dos princípios básicos, dos critérios e das orientações da Doutrina Social da Igreja.

É igualmente, importante o conhecimento e a prática dos métodos de trabalho pastoral que o capacitem para desempenhar eficazmente sua missão apostólica e a atividade evangelizadora na comunidade em que atua e no meio familiar e social.

 

Formação humana

Outro aspecto importante, no processo formativo do Congregado Mariano, é o crescimento no campo dos valores humanos, como a competência profissional, o sentido de família, o espírito cívico e as virtudes próprias da convivência social como a honradez, o amor à justiça e à verdade, a sinceridade, a amabilidade, a fortaleza de ânimo, o senso de responsabilidade (AA, 4).

São tradicionais, nas Congregações Marianas, sobretudo de estudantes e jovens, as chamadas "Academias", círculos de estudo que os ajudem a crescer no campo doutrinário, cultural e profissional, os levem à discussão de temas religiosos, científicos e literários, artísticos, políticos e econômicos, dentro de uma visão cesta da pessoa humana e do mundo da cultura (RC, 14).

Regra de Vida, artigos 27 a 32

0
0
0
s2sdefault