O Testemunho de Conversão de Scott Hahn

Testemunho de Conversão

Scott Hahn - Ministro presbiteriano se converte ao catolicismo

 

Tradução: Jaime Francisco de Moura

Muito obrigado. É muito bom estar com vocês. Eu nunca deixo a oportunidade de mostrar e compartilhar por que eu me tornei um Católico, e como Deus trabalhou em minha vida, na vida de minha esposa, e minha família.


Isso é o que eu gostaria de compartilhar com vocês agora. Começo com uma experiência de conversão que eu tive na escola secundária. Eu não cresci em uma família Cristã forte. Nós não fomos muito de igreja, e assim eu não era muito religioso. O que Deus usou em minha vida era um organização chamada Vida Jovem, sob a direção de Jack, uma pessoa que muito me ajudou, na escola secundária de crianças.


Depois me ensinaram a amar a Deus e a ler a Bíblia. Até que eu estivesse terminando a escola secundária, eu tinha lido a Bíblia duas ou três vezes em sua totalidade. E eu tinha me apaixonado pela Bíblia Sagrada. Como resultado disso me convenci de muitas coisas.


Primeiro, além de ler a Bíblia, Jack tinha compartilhado comigo de sua própria biblioteca pessoal e os escritos de Martinho Lutero, João Calvino, e me tornei um Cristão protestante convencido, não só um Cristão com a bíblia, mas alguém que foi convencido que até 1500, o Evangelho tinha estado perdido entre o período medieval, com superstições e práticas pagãs que a Igreja católica tinha adotado. E assim esta primeira convicção era ajudar meus amigos católicos para o Evangelho de Jesus Cristo, lhes mostrar a Bíblia, e para mostrar para eles que na Bíblia, você aceita Jesus como Salvador e isso era tudo. Não Maria, não os Santos, não purgatório, não devoções etc.


Naquele tempo eu estava saindo com uma menina que era católica, e nós estávamos ficando com um namoro sério. Mas eu imaginava que não havia nenhum futuro em nossa relação se ela permanecesse católica. Assim eu dei a ela, um livro de Loraine Boettner intitulado Catolicismo romano. O livro era conhecido como a bíblia do Anti-catolicismo. Eram quatrocentos e cinquenta páginas que encheram de todos os tipos de distorções e mentiras sobre a Igreja Católica. Mas na ocasião eu compartilhei isto de boa fé com ela. Ela leu do princípio ao fim. Ela me escreveu dizendo,
"obrigada pelo livro; Eu nunca voltarei contigo novamente." Eu entendia que se a bolacha na que eles estão adorando no altar não é Deus, então eles são os idólatras, eles são os pagãos. E o Papa em Roma não é infalível, e sim um tirano. Ele é um simples ditador espiritual.


O único católico em minha família em ambos os lados era minha amada avó. Ela era muito quieta, muito humilde, muito santa, eu tenho que admitir. Ela também era uma católica devota. Quando faleceu, os pertences religiosos dela foram doados a meus pais. Então eu achei as contas do rosário dela, e isto me fez ficar doente por dentro. Eu soube que minha avó teve uma fé real em Jesus, mas sabia que tudo isso era mau. Assim eu rasguei separadamente as contas do rosário. Eu pensei que essas contas eram uma cadeia e que afinal ela estava quebrada livre. Isso era o segundo aspecto de minha própria perspectiva: que estas pessoas poderiam ter alguma fé mas aos pouco eram rodeadas de mentiras, e assim eles precisavam amar a Bíblia.


Bem, depois de me formar na escola secundária, decidi não só procurar o ministério mas estudar teologia. A decisão veio como resultado da pesquisa que escrevi no ano final dentro da escola secundária. Eu escrevi um artigo intitulado
"Sola Fide". Isso é uma frase latina “Somente a Fé”. Era a frase que Martinho Lutero lançava na Reforma protestante. Ele disse que nós estamos justificados, nós estamos com Deus só pela fé, não por qualquer obra que poderíamos fazer. E para ele, essa era a questão devido à qual a igreja estava em queda. Por causa disso, a Igreja Católica caiu.. E assim eu entrei na faculdade com esta forte convicção.


Anos de faculdade


Nos meus quatro anos de faculdade, estudei profundamente Filosofia, Teologia, Bíblia e Economia. Assim durante esses quatro anos eu me dediquei a alcançar as crianças que não souberam de Cristo, e confesso que esta categoria incluiu crianças católicas na escola secundária onde eu trabalhei porque olhei para estas pobres almas que realmente não sabiam de Jesus Cristo. Eu descobri depois de vários estudos da Bíblia que não só estas crianças, mas praticamente todo católico adulto que encontrei não sabia o que a Igreja católica ensinava. Assim conseguindo que eles vissem a Bíblia, estava como apanhar patos em um barril. Eles não estavam prontos, eles eram desarvorados, eles eram indefesos.


No meu terceiro ano de ministério na Vida Jovem, eu perguntei para a menina mais bonita no campus, se ela me ajudaria trabalhando a localizar estas crianças, e ela disse
"Sim." Nós trabalhamos juntos durante dois anos, as vezes nós discutimos vários modos e meios para alcançar estes crianças. Mas nós crescemos respeitando um ao outro de forma que ao término dos quatro anos de faculdade, eu fiz a pergunta. E a maior coisa que ela já disse foi "Sim." Nós nos casamos. Tivemos a mesma visão, fizemos ministério junto, compartilhamos as boas notícias de Cristo.

 

Anos de seminário


Fomos para um seminário uma semana depois do nosso casamento. Depois de três anos eu me formei sendo o primeiro lugar de minha classe. Eu digo sem qualquer orgulho, como procurei em meus estudos um tipo de vingança. Pessoas que me conheceram no seminário, me conheceram por ser bastante intenso. Eu gastava todo tempo lendo a Bíblia e estudando os livros sobre Bíblia. Kimberly e eu tivemos uma grande experiência de três anos. Mas muitas coisas aconteceram no caminho que preciso relatar porque em retrospecto eu as vejo como experiências relevantes.


A primeira coisa era um curso que Kimberly fez no primeiro ano, uma classe que eu tinha levado antes de Ética Cristã. Dr. Davis formou pequenos grupos de forma que cada grupo poderia estudar um tópico. Havia um grupo sobre aborto, um sobre guerra nuclear, um sobre pena de morte. Ela anunciou que estava em um grupo dedicado a estudar contracepção. Eu me lembro de pensamento na ocasião,
"Por que contracepção?"


Ela disse,
"Bem, três outros se inscreveram para isto e nós tivemos nossa primeira reunião hoje". Fulano de tal anunciou os resultados de nosso estudo. Ele disse, bem, todos nós sabemos, como protestantes, que contracepção está bem. Ele anunciou que as únicas pessoas que se chamam cristãos e se opõem ao controle de natalidade artificial são os católicos, e a razão que eles fazem, é porque eles são liderados por um Papa celibatário.


Bem, aquele tipo de argumentação realmente não impressionou Kimberly. Ela disse,
"esses são os melhores argumentos que você oferece?" e ela se interessou pesquisando isto por conta dela.


Assim eu elevei o assunto e ela me deu um livro. Foi intitulado Controle de natalidade e o Matrimônio por John Kippley. Eu comecei a ler o livro com grande interesse para meu próprio estudo pessoal, com o título de,
"Controle de natalidade e a Convenção de Matrimônio". Quando eu abri o livro e comecei a ler, eu disse, "Espere um segundo, Kimberly, este sujeito é um católico. Você espera que eu leia uma obra católica?"


Bem, eu comecei a ler o livro. Passei por dois ou três capítulos e ele estava começando a fazer sentido. Eu não queria francamente que ele fizesse sentido algum. O livro mostrava que o matrimonio não é só um ato físico; é um ato espiritual que Deus tem projetado no matrimônio e é sempre renovado. Terminei de ler o livro, e fiquei convencido.


Fiquei um pouco aborrecido, porque a Igreja Católica era a única denominação que sempre defendeu esses ensinamentos, pois em 1930 a Igreja Anglicana, que mantinha os mesmos ensinamentos, quebrou essa tradição e permitiu a contracepção. Antes de 1960 e 70, minha própria denominação, a Igreja presbiteriana nos Estados Unidos da América, não só endossou a contracepção, mas também o aborto, e isso me intimidou.


Durante o ano final no seminário, aconteceu algo que representou uma crise para mim. Eu estava estudando numa conferência e ouvia outro teólogo, que ensinava no Seminário de Westminster, acusado de heresia. Pessoas estavam sugerindo que a heresia cresceu fora do âmbito da convenção. Ele estava questionando a
“Sola Fide”!


Eu o chamei ao telefone e disse: mas porque você está duvidando de Lutero e da doutrina
"sola fide?" Ele mostrou-me nessa discussão que a concepção de Lutero sobre a justificação era muito restrita e limitada.


Após desligar o telefone, procurei ver com mais profundidade os ensinamentos de Lutero em que Deus é um juiz e a nossa vida é uma cena de sala de tribunal em que todos nós somos os criminosos culpados. Mas, desde que Cristo carregou em si nosso castigo, nós adquirimos a retidão dele, e ele adquire nossos pecados.


Para Lutero, em outras palavras, a salvação é uma troca legal. Mas, para Paulo em romanos, para Paulo em Gálatas, salvação é muito mais que isso. Não é só uma troca legal porque a aliança não aponta para uma sala de tribunal sobre um quarto familiar hebreu. Deus não é só simplesmente juiz; e os julgamentos dele são paternais. Cristo não é só alguém que representa uma vítima inocente que leva nossos pecados, ele é o primogênito entre muitos irmãos. Ele é nosso irmão mais velho, e ele nos vê como fugitivos, como rebeldes que estão cortados da família de Deus. A Nova Aliança não faz que Cristo tome nosso lugar de forma legalista; Cristo nos dá a própria vontade de forma que nós realmente nos tornemos filhos de Deus.


Assim, concluí que a
"Sola fide" estava errada. Primeiro, porque a Bíblia nunca diz isso em qualquer lugar. Segundo, porque Lutero inseriu a palavra "só" na tradução para o alemão, embora ele soubesse perfeitamente bem que a palavra "só" não estava no grego original. Em nenhuma parte o Espírito santo inspirou os escritores da Bíblia para dizer que nós somos salvos só pela fé. Paulo nos ensina que somos salvos por fé, mas em Gálatas também diz que nós somos salvos pelas obras motivadas pela fé.


Então, de repente, recebemos a notícia que nossa mudança teórica sobre contracepção tinha provocado uma mudança na anatomia de Kimberly e fisiologia; ela estava grávida.


Pastor de uma Igreja em Virgínia


O telefone tocou. Uma igreja em Virgínia, uma igreja famosa
"que eu tinha ouvido muito bem me chama e diz, você é o candidato para pastorear, nós o queremos aqui”. Na realidade nós lhe pagaremos bem de forma que você pode estudar 20 horas pelo menos por semana, Bíblia e teologia. "Nós queremos que você nos submirja na Palavra de Deus", e assim eu comecei.

A primeira coisa que eu fiz era lhes falar sobre a Aliança. A segunda coisa era corrigir o engano deles E mostrar que Aliança significa família. A terceira coisa que eu fiz era mostrar que a família de Deus faz sentido e que Deus é Pai, Deus é o Filho, e Deus pelo Espírito santo nos fez uma família com Ele. A quarta coisa , era os ensinos sobre liturgia e convenção e família na Bíblia. Eu sugeri que deveríamos ter a refeição familiar, comunhão. Eu usei a palavra "Eucaristia."  Como nós mudamos nossa liturgia, nós sentíamos uma mudança com a nova experiência. Era excitante ver, e como eu lhes ensinei mais sobre a Aliança, eles tinham sede para saber ainda mais.

 

O professor em um Seminário presbiteriano


Enquanto isso algo dramático aconteceu. Eu cheguei em um seminário, um seminário presbiteriano, e perguntaram se eu ensinava cursos para seminário que começa com Evangelho de João. Eu disse,
"Seguramente." Assim eu comecei a compartilhar do Evangelho de João, sobre a família de Deus, sobre o nascer de novo. Eu descobri em meu estudo que nascer não quer dizer que é somente aceitar Jesus Cristo como seu Salvador. Mas descobri o que Jesus quis dizer em (João 3) quando disse que você tem que nascer novamente. Ele diz que tem que nascer da água e do espírito. Eu ensinei que nascer é novamente um ato de Aliança, um sacramento, uma renovação da Aliança que envolve o batismo.


Enquanto eu estava preparando meus sermões e algumas conferências à frente de (João capítulo 3), estava vendo também o capítulo 6. Lá eu descobri algo que nunca tinha notado. Jesus disse a eles,
"Verdadeiramente, eu digo, a menos que você coma a carne do filho do homem e bebe o sangue dele você não terá vida em você. Quem come minha carne e bebe meu sangue tem vida eterna e eu o elevarei no último dia, pois minha carne é verdadeiramente uma comida e meu sangue verdadeiramente uma bebida. Quem come minha carne e bebe meu sangue permanece em mim e eu nele". Eu olhei para isto de dez ângulos diferentes.


Eu tinha sido treinado para interpretar isso em um sentido figurado; Jesus estaria usando um símbolo. Porém, mais estudei, mais percebi que essa interpretação não faz sentido nenhum! Isto porque assim que todos os Judeus ouvem o que Jesus diz, eles partem, desistem. Até este ponto, milhares o estavam seguindo e então, de repente, as multidões ficam chocadas com o que Ele diz,
"Minha carne realmente é comida, meu sangue é realmente bebida" e todos partem. Se Jesus tinha pretendido falar em um modo figurativo, Ele teria sido obrigado a dizer, "Pare, eu quero dizer que isto é somente um simbolismo." Mas Ele não fez isso; ao invés, o que ele faz? Pergunta aos Apóstolos: e vós, quereis ir também? Pedro se levanta e fala: "Senhor, a quem iríamos nós? Tu tens as palavras da vida eterna.

E nós cremos e sabemos que tu és o Santo de Deus!"


Ao estudar isto, comecei a perceber uma coisa. Eu descobri que Jesus nunca tinha usado a palavra
"Aliança" em seu ministério público. Ele economizou o tempo para instituir a Eucaristia e disse, "Este Cálice é o sangue da nova aliança." E comecei a perceber por que na Igreja primitiva durante mais de 700 anos, ninguém em qualquer lugar duvidou do significado das palavras de Jesus! Todos os pais da Igreja primitiva, SEM EXCEÇÃO, aceitaram as palavras de Jesus acreditando e ensinando na real presença de Cristo na Eucaristia. Eu estava assustado...


Então, de repente, um episódio aconteceu numa noite em um seminário. Um estudante diplomado nomeado John tinha terminado uma apresentação sobre o Concílio de Trento. O Concílio de Trento, você recordará, era a resposta oficial da Igreja para Martinho Lutero e a Reforma. Em uma hora e meia ele tinha apresentado o Concílio de Trento dentro da luz mais favorável. Ele mostrou quanto os argumentos estavam de fato baseados na Bíblia. Então ele virou o jogo. Os estudantes lhe perguntavam algumas coisas, mas ele disse,
"Posso eu fazer primeiro uma pergunta, Professor Hahn?” Você sabe como Lutero realmente teve dois slogans, não só a sola fide, mas também a sola scriptura, ou seja: . “Somente a Bíblia”. Minha pergunta é, onde a Bíblia ensina isto? "


Eu olhei para ele com um olhar fixo em branco. Podia sentir o suor que vinha à minha testa, mas eu disse,
"John, isso é uma pergunta boba. Ele olhou para mim e disse, me "Dê uma resposta boba." Eu disse, "certo, eu tentarei.". Eu disse, "Bem, (2 Timóteo 3,16) é a chave: “Toda Escritura é inspirada por Deus e útil para ensinar, para repreender, para corrigir e para formar na justiça” Ele disse, "Espere um segundo aqui diz que a Bíblia é inspirada e útil; não diz que é SÓ a Bíblia”. Realmente nós precisamos também de outras coisas como oração, e então ele disse, que em (2 Tessalonicenses 2,15), Paulo conta que eles têm que agarrar as tradições que Paulo os ensinou por escrito ou através da palavra oral. Eu não estava pronto e disse saí pela tangente, "Bom, as respostas a algumas perguntas eu darei na próxima aula."


Acho que eles não perceberam o pânico que eu estava por dentro. Quando fui para casa de noite, eu estava me perguntando, por que nunca ouvi aquela pergunta? Por que eu não achei uma resposta? No dia seguinte eu comecei a chamar os teólogos ao redor do país. Eu lhes perguntaria,
"Onde a Bíblia ensina a sola Scriptura? Onde a Bíblia nos ensina que a Bíblia é a única autoridade?" Um homem na verdade disse a mim, isso é uma pergunta boba que vem de você." Eu disse, "Me dê então" uma resposta boba. Eu estava tendo êxito... Um professor a quem eu respeitava, um teólogo de Oxford, disse a mim, "Scott, você não vai achar na Bíblia uma prova para sola Scriptura porque não é algo que a Bíblia demonstra".


Outro amigo, um teólogo, me chamou e disse,
"Scott, isso que estou ouvindo, é que você está considerando a fé católica? " Bem, eu realmente não estou considerando a fé católica. "Então eu decidi fazer uma pergunta. Eu disse, "Qual é a coluna e o fundamento da verdade? " E ele disse, "Scott, para todos nós é a Bíblia." Eu disse, "Então por que, em (1 Timóteo 3,15) diz que a coluna e o fundamento da verdade é a igreja? " Ele ficou em silêncio. Eu disse, quantas igrejas dizem ser a coluna e o fundamento da verdade? Eu só sei que a Igreja católica Romana ensina que ela foi fundada por Cristo; ela já existe por 2000 anos e está fazendo algumas reivindicações estranhas que parecem muito semelhantes a (1 Timóteo 3,15).


Bem, neste momento eu não estava seguro. Peguei um telefone e chamei, o presidente do seminário onde eu estava ensinando. Steve me pediu para almoçar fora. Quando saímos para o almoço, eu estava muito assustado e inseguro. Ele falou que as minhas classes iam tão bem, que deixaria ensinar qualquer curso que eu quisesse. Pagaria até mesmo por um curso de doutorado em teologia. Eu disse,
"Onde se faz um curso desses por perto? " Ele disse, "Universidade católica." Eu pensei, "Não, não, não. Eu não quero estudar lá; eu estou fugindo dessa perspectiva no momento." Na realidade, ele disse, "Bem, você oraria sobre isto? " Eu disse, " penso que você já sabe a resposta".


Quando cheguei em casa, Kimberly estava esperando por mim e expliquei a proposta do seminário e que não ia aceitar porque não estava seguro do que eu ensinaria, porque nesse exato momento eu não estava seguro do que a Bíblia estava ensinando. Ela caminhou até mim, me deu um grande abraço e disse,
"Scott nós vamos ter que orar então." Ela soube o que significou: Significou a rejeição de um trabalho próspero como pastor de uma igreja crescente.

 

De Assistente administrativo para Presidente de Faculdade


Nós não soubemos o que íamos fazer. Depois de muita oração, decidimos que deveríamos mudar para a cidade onde nos encontrávamos. Quando mudamos, eu solicitei emprego em vários lugares, mas a faculdade me contratou como um administrador assistente do presidente. Durante dois anos eu trabalhei lá, e me esforçava bastante durante o dia e à noite sobrava um tempo para pesquisas detalhadas.


Em dois anos eu tinha lido vários livros, e comecei a ler os teólogos Católicos pela primeira vez e os Estudantes da Bíblia. E eu estava impressionado com as perspicácias deles, eram de acordo com minhas próprias descobertas pessoais, descobertas inovadoras que eu estava assumindo.


Às vezes eu mostrava as obras eruditas para Kimberly e dizia,
"Ouça isto, preste bem no autor." Porque ela era de certo modo uma teóloga, mas estava tão ocupada em cuidar das crianças que não tinha muita energia. Mas ela sentava, enquanto escutava, eu diria, "Quem você pensa que é? " Ela disse, "fiquei emocionada! Isso parece um de seu sermões em Virgínia." Eu disse, "Isso é o Vaticano II, Isso é a Igreja católica." Ela disse, "Scott, eu não quero ouvir isso." Eu disse, "Kimberly, esta matéria-prima sobre liturgia é tão excitante. Eu não tenho certeza, mas eu penso que Deus poderia ter nos chamando a se tornar Anglicanos." Ela olhou em meus olhos, e os seus encheram de lágrimas e disse, "da igreja Anglicana! " Ela disse, "eu sou uma presbiteriana, meu pai é um ministro presbiteriano, meu tio é um ministro presbiteriano, meu marido era um ministro presbiteriano, meu irmão quer ser um. Eu não quero ser da igreja Anglicana."


Eu me lembro que alguns meses depois de ler muito mais, uma noite eu saí e disse,
"Kimberly, eu não estou seguro, mas eu estou começando a pensar que Deus poderia me estar chamando a se tornar um Católico romano." Este olhar de desespero aconteceu com ela. Ela disse, não "nós não podemos nos tornar Episcopalianos? Qualquer coisa, menos católico!" Ela começou a orar para alguém salvar o marido dela, algum professor, algum teólogo, algum amigo.

 

Viagem direta para o Catolicismo


Finalmente aconteceu. Um dia, Gerry, meu melhor amigo de seminário, me chamou. Ele era o único estudante, junto comigo, que segurou à velha convicção protestante que o Papa era o anti-Cristo. Ele falou comigo uma noite no telefone. Eu li a ele uma passagem de um livro de Bouyer. Ele disse,
"Emocionei, isso é rico e profundo. Quem escreveu isto? " Eu disse, "Louis Bouyer." "Bouyer? eu nunca ouvi falar dele, o que é ele? " Eu disse, "O que você quer dizer? " Bem, ele é um Metodista? " Eu disse, "Não". "Ele é um batista? " "Não." "Eu quero dizer é Luterano? O que é ele? " Eu disse, "Bem, ele é um Católico! " "Eu sinto muito" Eu disse, "Ele é Católico romano "Espere um segundo, deve haver um erro, Scott. Eu pensei que você disse que ele é católico." Eu disse, "Gerry, ele é católico, e eu tenho lido muitos livros católicos."


De repente falei,
"eu tenho lido Danielou, Ratzinger, Lubac,Garrigou-Lagrange e Congar, e todos estes sujeitos têm uma riqueza enorme; você tem que ler também". Ele disse, "Reduza a velocidade. E continuou, "Scott, sua alma pode estar em perigo." Eu disse, "Gerry, possa eu lhe dar uma lista de títulos? " Ele disse, lerei, qualquer coisa para o salvar deste tipo de armadilha. E eu lhe dei estes títulos." Eu disse, "Gerry, eu li todos, separe um deles, pelo menos uma ou duas vezes". E eu enviei isto a ele.


Depois, de um mês nós conversamos um longo tempo por telefone. Bem, isto foi por três ou quatro meses. Nós falaríamos por telefone, duas, três, às vezes quatro horas discutindo, teologia e Bíblia até três ou quatro pela manhã. Uma noite minha esposa sentou na cama e disse,
"Como vai? "Me fale sobre isto. Eu disse, "Gerry ficou perplexo com a verdade Bíblica e o avanço da Igreja Católica". Eu não pude ver ela enfrentar isso, mas eu pude ver sua face no travesseiro começando a chorar.


Em pouco tempo Gerry me chamou e disse, escute, eu estou um pouco assustado. Meus amigos também estão assustados. Nós realmente deveríamos levar isto a sério. Eu falei com John Gerstner, um teólogo Presbiteriano, anti-católico, para uma reunião de seis horas e um estudo aprofundado, começando pelo Velho Testamento em hebraico, o Novo Testamento em grego, e documentos da história da Igreja. Ao término de seis horas, Gerry e eu descobrimos que a Igreja católica nem mesmo tem necessidade de defesa. Ela está mais como um leão. Nós apresentamos os ensinos da Igreja no contexto Bíblico e ele não conseguiu responder nenhuma de nossas perguntas ou objeções.


Enquanto isso, enviei uma solicitação para Universidade de Marquette porque tinha ouvido que lá havia alguns teólogos excelentes. Fui aceito e consegui uma bolsa de estudos, comecei a visitar alguns padres na área. Nenhum deles quis discutir minhas perguntas. Um deles na verdade disse,
"você está pensando em converter-se para o Catolicismo? Não, você não quer fazer isso. Desde o Vaticano II nós desencorajamos isso. A melhor coisa que você pode fazer para a Igreja é ser um bom ministro presbiteriano."


Três ou quatro encontros assim e fiquei sem entender. Eu compartilhei isto com Kimberly. Ela disse,
"Você tem que ir a uma Escola católica onde você pode estudar em tempo integral, onde você pode ter certeza que acredita na Igreja católica." Assim depois de muito oração e preparação, nós nos mudamos para Milwaukee onde eu estudei dois anos de tempo integral no programa doutoral deles.


Esses dois anos foram os anos mais ricos de estudo que eu já tinha experimentado e o tempo mais rico de oração. Eu me achei dentro de alguns seminários, entretanto, onde era de fato o solitário protestante. Eu realmente desfrutei o tempo. Mas aconteceram duas coisas no caminho.


Primeiro, eu pedi um rosário. Eu estava muito assustado, mas procedi a rezar e como rezei. Comecei a entender então os Católicos. Logo veio em minha mente, que eu era uma criança de Deus. Eu não tinha somente Deus como Pai e Cristo como meu irmão; mas eu tinha também uma Mãe.


Um amigo meu que tinha ouvido que eu estava passando para a igreja católica me chamou um dia e disse:
"Você adora a Maria como esses Católicos fazem? " Eu disse, "Eles não adoram a Maria; eles honram a Maria." "Bem, qual é a diferença? " Eu disse, me Deixe explicar. Quando Cristo aceitou o chamada do Pai para se tornar um homem, Ele aceitou a responsabilidade para obedecer a lei, a lei moral na qual é resumida os Dez Mandamentos. Há um mandamento que diz, Honra seu pai e mãe. eu disse, "Chris, no hebreu original, aquela palavra "honra", kaboda, palavra hebreia pretende glorificar, dar qualquer glória e honre você seu pai e mãe. Cristo cumpriu aquela lei mais perfeitamente que qualquer humano dando a glória dele honrando a Mãe. Tudo que nós fazemos no rosário, Chris, é imitar Cristo que honra a Sua Mãe com a glória dele. Nós a honramos com a glória de Cristo.


A segunda coisa que aconteceu foi quando fui a capela. Sentei na parte de trás, e era um observador. Então um sino tocou e todos eles se levantaram e a Missa começou. Eu nunca tinha visto isto antes.


A Liturgia da Palavra era rica. Eles leram a Bíblia, mais do que eu pensei. Então a Liturgia da Eucaristia começou. Eu assisti e escutei como o padre pronunciou as palavras de consagração. E eu confesso, a última gota de dúvida escoou fora naquele momento. Eu olhei e disse,
"Meu Deus meu Deus." Como as pessoas começaram a ir adiante para receber a comunhão, eu fiquei alegre e o Senhor entrou em meu coração. O Senhor é Deus e meu Salvador pessoal , mas agora eu penso que o Senhor quer vir em meu corpo como também em minha alma até que esta comunhão esteja completa.


O próximo dia eu estava de volta, e no próximo, e no próximo. Eu não pude contar a ninguém. Não pude contar à minha esposa. Mas em duas ou três semanas eu estava com a cabeça erguida e sempre dizendo em meu íntimo, ame o Cristo na Real Presença, no Santíssimo Sacramento.


Então um dia Gerry me chamou no telefone. Ele tinha lido centenas de livros. Ele chamou para anunciar,
"Leslie e eu decidimos tornar católicos na Páscoa de 1986. " Depois que desliguei o telefone, eu disse, "Kimberly, você nunca vai adivinhar o que Gerry e Leslie estão planejando fazer." "O que?" Eles vão se tornar Católicos na Páscoa de 1986. "


Eu soube que Kimberly me amou bastante e nunca me permitiu desobedecer meu Deus e Salvador. Ela disse,
"eu rezarei aproximadamente, mas eu tenho que lhe falar, eu me sinto traída. Eu me sinto abandonada. Eu nunca me senti tão só em minha vida. Todos meus sonhos estão morrendo por causa disto." Mas ela rezou, e Deus a abençoou, ela voltou e disse, "Esta é a coisa mais dolorosa em minha vida, em nosso matrimônio, mas eu penso que é o que Deus quer que eu faça."


Na vigília da Páscoa de 1986, ela me acompanhou para a Missa de vigília, que até este momento, eu já tinha recebido o batismo, primeira comunhão e confirmação. Quando voltei estava chorando, pus meu braço ao redor dela e  começamos a rezar. Deus disse a mim,
"Olhe, eu não lhe estou pedindo que se torne um católico apesar de seu amor por Kimberly, porque eu a amo mais que você".


Nós tivemos um terceiro bebê, Hannah. Quando Hannah foi concebida, eu estava realmente assustado. Assustado por muitos razões mas nunca tão assustado como numa manhã de domingo quando Kimberly estava grávida de cinco meses. Estávamos na Igreja dela e na última estrofe do último hino, ela se levantou e virou para mim. Ela estava branca como um fantasma e disse,
"eu não me sinto bem." Ela se sentou e se deitou,e não soube o que fazer, corri para um telefone público, e estava em um pânico mas logo veio a ajuda e ela entrou no carro e fomos para o hospital e a vida de Kimberly, e o bebê foram poupadas, e Hannah nasceu.


Eu há pouco tive o senso que estávamos mais íntimos de Deus para o nosso matrimônio, pois antes de Hannah nascer Kimberly me disse,
"eu não estou segura mas acho que Deus está me dizendo que Hannah vai ser um criança de reconciliação. Eu não estava seguro do que isso significaria." Nós abraçamos e começamos a rezar sobre isto.


Depois que Hannah nasceu, Kimberly me chamou. Ela disse,
"penso que Deus quer que eu tenha a Hannah batizado dentro da Igreja católica." Eu disse, o que? Ela disse, "eu não estou segura mas sim." e nós passamos pela liturgia do batismo. Como resultado desta celebração litúrgica do batismo, ela fotografou a liturgia batismal e enviou à família e amigos. Mas ela ainda não estava pronta para entrar nestes debates. Ela começou ler e rezar.

 

Viagem para o Vaticano em Roma


Em Janeiro meu sogro me convidou a se juntar a ele e um grupo de pessoas que estavam trabalhando contra a pornografia que se espalhava pela Europa oriental. Nesta viagem, iríamos também ao Vaticano para uma reunião e uma privada audiência com o Papa João Paulo II. Meu sogro, presbiteriano auxiliar, me perguntou se eu queria conhecer o Papa Eu disse,
"Sim." Assim no final de janeiro, além de ter podido me reunir com o Papa também fui convidado a acompanhá-lo na sua capela particular em uma sexta-feira e participar da Missa matutina às 7:00 da manhã onde fiquei alguns metros dele. Você poderia ouvir ele que reza com a cabeça dele nas mãos dele, levando o peso do Igreja com todos seus fardos em seu coração.


Como ele celebrou os Mistérios da Santa Missa, eu prometi para mim mesmo de participar profundamente na Missa, compartilhar com meus irmãos e irmãs, e agradecer a Cristo que nos deu uma incrível família, agradecer a Santíssima Virgem Maria por ser nossa Mãe espiritual, ao Papa, João Paulo II por ser um guia e um pai espiritual que nos conduz ao Pai divino, agradecer aos santos que são nossos irmãos e são a família de Deus.

 

"A Igreja é a coluna e o fundamento da verdade" (1 Tim 3,15)

"Todo aquele que divide Jesus é um anticristo" (1 Jo 4,3) (Vulgata)